18.4.08

História de Transeuntes.

Ela sempre gostou do contato do vento com a sua pele, mas adorava quando ele brincava com seus cabelos. Naquela tarde de vento frio ela caminhava determinada pela rua de paralelepípedos. Lembrou dos tempos em que se esforçava pra dizer a palavra que acreditava ser a maior de todas: paralelepípedo.

Ele sempre gostou do pôr-do-sol, mas adorava quando ele resolvia tingir o céu inteiro.Naquele final de tarde rosa-alaranjado ele caminhava confiante pela rua não-asfaltada. Lembrou do tempo que se divertia chutando pedrinhas na rua.



Esquina.Esbarrão.Choque.




Aqueles dois nunca mais veriam a tarde do mesmo jeito.

4 comentários:

Nadine disse...

porque ontém a tarde nunca será igual à tarde do amanhã...

porque o tempo muda, junto com ele mudam as pessoas, a paisagem, a vida.

Rafael disse...

Uma das coisas que eu mais gosto quando volto pra casa da ufrn é ver o céu, independente de ser por-do-sol ou noite ja, mas principalmente quando é por-do-sol, dali de frente daquele ginasio que fica perto do r.u.

as vezes as pessoas esquecem das pequenas coisas belas em virtude de uma rotina. façamos coisas diferentes, pelo amor de Deus. quem me dera um dia esbarrar com alguem que mudasse a meu dia, nem que fosse so pelo "desculpe" sincero.

Lua disse...

que lindo. :)

"As pequenas coisas. Não há nada maior, não é?"

Uma pessoa Angélica disse...

Porque cada segundo é único, né?

Rafinha!

Isso me lembra Amélie... xD