16.9.10

. Era uma casa muito engraçada.

Ela ouviu falar do fogo. Embora já tivesse passado muito tempo, ela ainda lembrava das palavras ditas como se tudo tivesse acontecido ontem. Todos haviam a ouvido também, mas cada um tinha sua própria desculpa para tê-la esquecido. Mas eu estou me adiantando, deixe-me explicar:

Todos haviam recebido um espaço no terreno do loteamento e, embora o alicerce já estivesse colocado quando chegaram lá, cabia a cada um erguer e concluir o seu próprio edifício. O design do projeto, os materiais usados e o tamanho da obra ficava a critério de cada um. A única condição é que haveria um prazo. O tempo foi passando, a empolgação inicial de ter sido contemplado com o terreno foi esfriando e como ninguém sabia ao certo quando esse prazo se esgotaria, as coisas foram ficando um pouco diferentes. Todo mundo passou a ser bem mais prático, afinal, é preciso ser versátil e moderno. A regra era ter o máximo de benefício com o menor esforço possível.

Apenas um deles agia absurdamente diferente. Ela não havia aderido ao movimento, não adotou o padrão, não seguiu o modelo. E as demais pessoas a julgavam, divididos entre os que a achavam uma louca obsessiva ou uma esnobe arrogante.

"Por que essa obsessão por ouro e pedras preciosas? "

"Quem ela pensa que é, rejeitando a madeira e a palha do armazém? Ela não sabe que estamos em crise?"

"Eu já disse pra você não ir brincar perto dali, menino!"

Ela continuava no seu minucioso trabalho.Trazia em suas mãos as marcas do intenso labor. Esquecera quantas vezes precisou vender tudo o que tinha para comprar mais uma pepita. Quantos dias e noites passara viajando, na região das minas, procurando por mais fragmentos e pedras brutas. Quantos excessos teve que abrir mão para economizar. Mas de uma coisa lembrava bem: o fogo. Provavelmente por trabalhar com ele todos os dias afim de lapidar e dar forma a sua edificação, ela aprendera a respeitar o fogo.

Então, quando o prazo finalmente se esgotou e o que parecia impossível aconteceu, todos puderam entender. O fogo veio. Em meio ao corre-corre e gritaria das pessoas tentando salvar seus pertences, ela sentou. O fogo que transformava tudo em volta em brazas e cinzas, apenas cintilava sua luz, irradiando por entre as pedras preciosas de sua casa. Ela fechou os olhos enquanto o brilho colorido dançava no seu rosto. Era lindo!


"Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele.

Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.

E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha,

A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.

Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão.

Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo.

Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?" 1Coríntios 3:10-16

6 comentários:

Null disse...

OO

aleeeelooooooooias

Isabele disse...

Catali, estou toda arrepiada... sem palavras... =0

Daniele disse...

Sem comentários! glória a Deus pela revelação diária da sua palavra, pelo vinho novo. Que Deus continue te dando sabedoria e entendimento para buscá-lo mais a cada dia. Bj.

Levy disse...

Palavra revela é um dom dado por Deus para incendiar corações por todo o mundo,continue firme sua missao,te admiro muitooo ,abraço do seu cunhado Levy

Anônimo disse...

E cada vez mais me impressiona essa sabedoria mesclada com a simplicidade.

Sem palavras..

Friend

Paulo Leão disse...

Muito bom Fá. Manda meus parabéns ao ES.